Você sabe quais são as diferenças entre o Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) e o gás natural(GN) e as particularidades de cada um deles? Abaixo, listamos as características de cada um deles para que você entenda melhor.

Gás liquefeito de petróleo (GLP)

  • Combustível com maior alcance em território nacional.
  • Presente em 100% dos municípios do país, chega a 95% dos lares brasileiros (dados Sindigás).
  • Pode vir do petróleo ou do processamento do gás natural, seja exclusivamente do petróleo, unicamente do gás ou em uma combinação entre os dois.
  • É extraído das reservas de gás natural presentes no subsolo ou como produto do refinamento do petróleo cru.
  • Mais fácil de armazenar, transportar e, consequentemente, de ser utilizado.
  • Ele se apresenta em estado líquido quando submetido a um certo grau de pressão e retorna ao estado gasoso durante o uso.
  • Além do uso residencial, o GLP também é largamente utilizado em restaurantes, pizzarias e padarias, além de segmentos como construção civil, agronegócio, industria, hotelaria, hospitais e outros.
  • Os recipientes podem ser encontrados em vários tamanhos - desde vasilhames para uso em viagens até tanques de grande capacidade.

Gás natural (GN)

  • Fornecimento através de tubulação específica, o que pode requerer custos extras com obras em locais que não contam com rede encanada.
  • É utilizado em residências e também no comércio, na indústria e em veículos. Também possui aplicação para a geração e cogeração de energia.
  • É encontrado na natureza, em reservatórios na profundidade do subsolo. Esses reservatórios podem ou não necessariamente ter ligação com as reservas de petróleo.
  • É composto por 92% de metano, um hidrocarboneto leve.
  • Pode requerer adaptação inicial para uso em novos fogões.
  • Ainda não possui grande capilaridade em território nacional, ou seja, não alcança todos os locais nos quais o GLP chega.